domingo, janeiro 13, 2008

Caminho...


...e parti, sem destino traçado procurando apenas encontrar a paz que o caminho nos oferece. Dei um primeiro passo e deixei que a estrada me levasse para onde decidisse, para onde achasse que precisava de me levar. Fluí ora apertado por muros altos ora espalhado em largas bermas sem fim, passei por vales férteis e por cumes desolados. Senti o vento frio a temperar-me a pele e a chuva a lavar-me os olhos e perdi a noção do tempo como se o caminho fosse o fim e não o meio de chegar...
Caminhei sempre, sem sequer olhar para trás. Sem querer saber de onde tinha partido nem para onde me dirigia. Sabia que estava no sitio certo, procurando o eu que estava sempre comigo.
Pouco a pouco as árvores foram crescendo dos dois lados da estrada e o ar foi ficando mais denso com o nevoeiro que as envolvia. Desci numa recta longa e antes de me embrenhar no bosque mais profundo surgiu uma curva apertada que quase se achava no direito de cortar o caminho e obrigar a uma mudança de direcção. Passei a curva e percebi que o destino estava ali, ao alcance do meu olhar. Via uma pequena princesa, uma criança sentada num banco no centro do caminho, de branco vestida e com um sorriso sereno que trespassava o nevoeiro e aquecia o coração. Em silêncio aproximei-me, sem nunca deixar de a fitar nos olhos. Parecia que o caminho me tinha trazido de tão longe só para que pudesse olhar-lhe a alma. Quando ao pé dela cheguei, vi no seu semblante que sempre ali tinha estado à minha espera, como se soubesse que o caminho mais cedo ou mais tarde nos haveria de juntar. Estendeu-me a mão e num sorriso disse-me em silêncio que a partir daqui o caminho se faria a dois...

13 comentários:

maria disse...

Qualquer que seja o caminho
preciso da tua mão para o percorrer
sem ela
sou levada por marés
enredo-me nas algas
abandono-me nos rochedos
e fico-me no cais!
Ressequida...
Apodreço sob um sol felino
E sou verme
Cadáver purefacto!

Preciso da tua mão
da leveza apertada do seu toque
púrpuro
mudo
que me tinge de sal
e me enebria
num consolo
tonto e infinito!
Preciso da tua mão
da sua brisa branca
do seu sopro de paz
que me veste de luz
e me abre de vida
num voo de condor!



mariasilvestre

Outonodesconhecido disse...

Gosto da foto!
e muito deste excerto: "Sabia que estava no sitio certo, procurando o eu que estava sempre comigo".
boa semana

Um Momento disse...

Caminhos de vida , percorremos na vinculada Esperança de todos os momentos abraçarmos,
Sorrimos ao destino para que seja generoso para com a vida nossa , mas nem sempre
a nossa vontade é a mais realizável
Contudo , no trilhado caminho da Esperança há sempre um Anjo de branco vestido, em amor, carinho e Paz que sorri aos olhos de quem ama( E tu Amas...),
nos ilumina nas horas menos esperadas, nas mais fáceis e nas mais complicadas...
Que os caminhos que percorres sejam iluminados de boas energias hoje e todos os dias da tua vida,de mão dada a quem bem te quer.
E eu... a minha te dou...as duas se necessário for
Serenidade ao ler-te, nestas palavras tão profundamente sentidas...
Beijo muito sentido nos teus sentires abraçado ,te sopro.

Tem uma noite linda e serena na Paz dos Anjos
(*)

Bichodeconta disse...

Fiquei aqui, parada, a deliciar-me com a sua escrita.. Vou voltar sempre que possivel , até lá deixo um abraço..

Manuela disse...

"chegamos sempre ao sitio certo na hora exacta...", li num livro de Paulo Coelho...
Talvez porque inconscientemente vamos de encontro ao mais puro de nós... ou talvez algum anjo nos ajude a encontrar o caminho...
bela a imagem, e as Tuas palavras são de uma sensibilidade profunda... ao ler_te consegui ver cada curva... acho que viajei neste instante contigo.

Um beijo com todo o meu carinho

Cöllyßry disse...

Olá visinho...o caminho da vida a dois se faz mais leve e com mais beleza...

Bja doce

Francis disse...

Uma vez encontrei uma Princesa. Depois, quando dei por mim, já tinha Duas!

Lindas!!!

Joaquim Amândio Santos disse...

o que é o conhecimento?

visão directa do corpo e da atitude?
prolongado caminho nem que condutor à saturação encapotada?

Vivência superficial feita de fait-divers e não de curiosa partilha sem hora nem condicionalismos marcados?

Será assim tão impossível iniciar o conhecimento na distância? julgo que não e defendo tal desiderato.



A MINHA HOMENAGEM AOS LAÇOS CRIADOS ENTRE TODOS OS BLOGGERS!

kakauzinha disse...

"Eles" estão lá, esperando por nós, de mãos estendidas para nos ajudar na "passagem".

"Eles", os teus, os meus, os nossos, estão sempre connosco.

Beijo em Tu (*)

GarçaReal disse...

Um anjo que te esperava?

Indicava-te o caminho que terias que percorrer?

Mas de qualquer modo era a beleza que te agurdava...

Está lindo

Bjgrande e Bom Fim de Semana

Dias disse...

A ilustração é espantosa, as tuas palavras merecem-na em cada pixel!

Se fosses dos meus, dizia-te que as curvas que vais encontrar são as que criares e não as que já foram criadas, e dizia-te que tributos prestam-se sorrindo a vida e não repetindo-a. Como não és dos meus, escrevo-o.

Abraço forte

P.S.- Grande Post!!

Dr Mendez (AKA Nitrosferatu) disse...

Esse anseio por um encontro que sentes demorar demasiado não te deixa ver que o caminho sempre será feito a dois... sempre foi.

Um abraço,

D.M.

Anónimo disse...

dias de mente insana, quando o céu resolve tocar-me a pele, através de gélidas gotículas, escreves o que não entendo, mas amo.